Notícias

Colaboradores 09 de Maio de 2019

Campanha sobre a importância da higienização das mãos é realizada no HUST

A Organização Mundial (OMS) da Saúde estipulou o dia 5 de maio como o mundial de higiene das mãos, data que tem como objetivos informar e conscientizar os profissionais da área da saúde sobre a importância da lavagem das mãos visando o controle de infecções. E para marcar a data, o Hospital Universitário Santa Terezinha (HUST), por meio da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), realizou entre os dias 6 e 7 de maio ações alusivas ao tema com seus colaboradores.

Entre as atividades destacaram-se palestras que ocorreram nos períodos matutino, vespertino e noturno. Uma dinâmica na qual, de forma lúdica, foi apresentado o passo a passo para que a higienização das mãos seja correta e ainda, a realização de uma blitz da higienização dão mãos, promovida por integrantes do Projeto Alegria no Ar, que visitaram os setores e leitos, alertando profissionais e acompanhantes dos pacientes.

A correta higienização das mãos evita infecções que podem ser transmitidas por bactérias e outros microrganismos entre pacientes durante o período de internação, de forma direta, através do contato de uma pessoa a outra (pele com pele), ou de forma indireta por meio da transferência do microrganismo de um objeto contaminado para um indivíduo suscetível. A higienização das mãos no ambiente de saúde deve acontecer em cinco momentos: antes do contato com o paciente; antes de realizar procedimentos; após a exposição a fluidos corporais; após o contato com o paciente e após contato com superfícies próximas ao paciente.

A OMS preconiza que o tempo de lavagem das mãos com água e sabão deve durar de 40 a 60 segundos e deve ser realizada quando as mãos estiverem visivelmente sujas, e a Fricção com solução alcoólica deve durar de 20 a 30 segundos quando as mãos não estiverem visivelmente sujas, vale lembrar que a correta higiene das mãos é uma ação simples, mas, que realizada no momento certo e da maneira certa pode salvar vidas.

— Precisamos conscientizar para que a higienização das mãos seja constante uma vez é considerada a medida preventiva mais barata para o controle de infecções durante o atendimento ao paciente — afirmou a enfermeira da CCIH, Manuela C. De Quadros.

Além dessas ações, a comissão de controle de infecção do HUST também tem incentivado a implementação da estratégia multimodal ou multifacetada para a melhoria da higiene das mãos no serviço de saúde, que engloba cinco componentes: disponibilização da preparação alcoólica no ponto de assistência, além de pia ou lavatório, sabonete líquido e água; capacitação dos profissionais; observação das práticas de higiene das mãos e retorno de indicadores de adesão à equipe; fixação de lembretes e cartazes no local de trabalho; e estabelecimento de um clima institucional seguro, com obtenção do apoio expresso de gestores e líderes.